7 anos de escravidão no Brasil

Há 80 anos, antifascistas expulsaram extrema direita da praça da Sé
16 de março de 2014
Teatro Oficina recebe ato pelo direito de manifestação
20 de março de 2014

7 anos de escravidão no Brasil

Enquanto há filas para ver “12 Anos de Escravidão”, vencedor do Oscar de melhor filme, figuras brasileiras de trajetória similar à de Solomon Northup estavam fadadas ao esquecimento ou à reverência apenas de estudiosos.

É o caso do abolicionista Luiz Gama (1830-1882), advogado e ativo republicano que passou a infância como escravo, vendido pelo próprio pai.

“Espero que o sucesso de 12 Anos’ alavanque o interesse pela história de Gama e tantos ex-escravos brasileiros”, diz a escritora Ana Maria Gonçalves, que trabalha no roteiro de uma série e um filme sobre o personagem.

O livro de Gonçalves “Um Defeito de Cor”, que romanceia a vida da provável mãe de Gama, Luiza Mahin, também deve ir à TV. Depois de chamar a atenção do cineasta Fernando Meirelles, o texto pode virar série global, com direção de Luiz Fernando Carvalho.

Gama nasceu na Bahia, de mãe africana e pai baiano. Escravizado, foi enviado ao Sul, exposto em leilões, e acabou em São Paulo, onde serviu o comerciante Antonio Pereira Cardoso por sete anos.

Aos 17, num lance que mistura acaso e persistência, aprendeu a ler e escrever com um pensionista de seu senhor, o estudante de direito Antônio Rodrigues do Prado Júnior. Obteve os documentos que provaram que nascera livre e deixou o cativeiro.

Seu relato dos anos como escravo está em uma carta escrita em 1880 ao amigo Lúcio de Mendonça.

“A carta de Gama é um documento único da história do Brasil. Nos EUA, as narrativas de escravos e ex-escravos estão no nascedouro da literatura negra. Aqui, só conhecemos esse documento de um ex-escravo que tenha se tornado figura pública proeminente”, diz Lígia Fonseca Ferreira, professora da Unifesp e especialista na obra de Gama.

Ferreira tem críticas a “12 Anos”, mas o considera importante. “Quantos não se fizeram sobre o Holocausto? Muito mais que a escravidão africana, uma história de 400 anos que precisa ser melhor entendida, sobretudo no Brasil.”