Assembleia de São Paulo diz que não suspenderá compra de veículos novos

Graph Search – Privacidade: Ter ou não ter?
17 de janeiro de 2013
lei
Lei de proteção aos dados pessoais está em revisão no Ministério da Justiça
18 de janeiro de 2013

Assembleia de São Paulo diz que não suspenderá compra de veículos novos

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo decidiu manter a licitação de renovação da sua frota de veículos mesmo após a Procuradoria-Geral de Justiça ter aberto uma investigação sobre o caso para apurar possível improbidade administrativa, onde constatou que a licitação foi direcionada para excluir os principais concorrentes da marca de carro preferida pelos deputados paulistas.

ALESP

“(A licitação) Está mantida. Os documentos estão à disposição do procurador-geral e de quem quer que seja. Estamos tranquilos”, afirmou o segundo-secretário da Casa, deputado Aldo Demarchi (DEM). A secretaria por ele comandada é responsável por obras e também pela frota de carros da Assembleia.

Demarchi afirmou que as exigências técnicas do edital – que, de modo geral, excluem os principais concorrentes do modelo Corolla, da fabricantes japonesa Toyota, ao definirem até o tamanho do carro e dos pneus – não foram estabelecidas “para alijar ninguém”. “A única coisa que estamos preocupados, e é a reclamação de todos os deputados, é a segurança. Vida, bicho.”

O deputado sustentou que “não acredita” que apenas duas marcas possam participar da concorrência e disse, sobre os pneus – o edital exige que tenham “perfil igual ou superior a 50”, o que elimina parte dos concorrentes do Corolla -, que “tem deputado que já trocou três vezes o pneu porque o carro já virou 170 mil quilômetros”. Casos como esse, no entanto, são raros. Segundo a própria Assembleia, a média de rodagem da frota é de 70 mil quilômetros por veículo.

Demarchi alegou ainda que os custos de manutenção estão ficando muito altos. “Se você pegar as notas de quando manda fazer a revisão, está proibitivo. Foi analisada inclusive a economicidade da frota.” E emendou: “Pra mim, como segundo secretario, tanto faz Civic, Corolla. Estamos ali não para fazer a minha vontade, mas a dos deputados”.