Índios do povo Truká ocupam a Câmara contra proposta que dá ao Congresso poderes sobre demarcação de terras indígenas

Parceria entre Revista Veja e Cachoeira
17 de abril de 2013
Rehtaeh Parsons
Anonymous ameaça divulgar nomes de 4 garotos que estupraram Rehtaeh Parsons
17 de abril de 2013

Índios do povo Truká ocupam a Câmara contra proposta que dá ao Congresso poderes sobre demarcação de terras indígenas

Revoltados com a criação de uma comissão especial para analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, que dá ao Congresso Nacional poderes para demarcar terras indígenas, centenas de índios invadiram, nesta tarde, o plenário da Câmara dos Deputados, tomaram as cadeiras dos parlamentares. Muitos deles estão em pé.

O deputado Simão Sessim (PP-RJ), que presidia os trabalhos, encerrou a sessão alegando que não havia condições de continuar. Sessim pediu providências aos seguranças da Casa, mas os indígenas continuam ocupando o plenário. Poucos parlamentares permanecem no local.

Ouça mais informações sobre a ocupação dos indígenas.

Os índios só desocuparam o plenário depois do apelo feito pelo presidente da casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

 

“Quero dizer que o respeito a esse plenário é inegociável”, afirmou o deputado, colocando o pleito como condição para a retomada do diálogo em torno das reivindicações do grupo. “Respeito tem de ser recíproco. Quem dá o respeito, recebe o respeito. Respeito que esse plenário tem que ter e merece ter pelo seu presente e futuro”, disse o presidente da Câmara.

 

Um dos líderes indígenas, Neguinho Truká, do povo Truká, de Pernambuco, disse que os índios querem o arquivamento da PEC 215 Segundo ele, o presidente da Câmara teria dito que seria impossível o arquivamento e, por isso, os índios decidiram pelo protesto. “Eles colocam os direitos indígenas conquistados em 1988 na lata do lixo. É inconstitucional, o Legislativo não pode tomar a ação do Executivo”, disse Truká.

 

A PEC 215 foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados em março do ano passado e deveria ser analisada por comissão especial, criada na semana passada. Henrique Eduardo Alves já anunciou a suspensão por 45 dias da escolha dos integrantes dessa comissão.