‘Der Spiegel’: Polícia Militar do Rio de Janeiro é “pior do que gangues”

Polícia Civil faz ação para desarticular grupo Black Blocs, no Rio
11 de outubro de 2013
Marco Feliciano
Pastor Marco Feliciano quer criar Dia Nacional do Blogueiro
12 de outubro de 2013

‘Der Spiegel’: Polícia Militar do Rio de Janeiro é “pior do que gangues”

Revista alemã afirma ainda que governo Cabral é ‘mais violento do que a ditadura’.

“Pior do que gangues”. Esta é a forma com que a revista alemã Der Spiegel (Hamburgo) se refere à Polícia Militar do Rio de Janeiro na sua edição desta semana. A reportagem especial é assinada pelo correspondente do veículo no Brasil, Jens Glüsing, com detalhes sobre a ocupação do Conjunto de Favelas do Lins, na zona norte, no domingo passado (6), para implantação da 35ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na cidade. O título da matéria ainda complementa: “polícia do Rio é criticada nas favelas por medidas enérgicas”.

A revista comenta o envolvimento de PMs da UPP da Rocinha na morte do pedreiro Amarildo de Souza, que teve repercussão internacional, a violência militar durante a ocupação do Complexo do Alemão, há dois anos, a truculência praticada pelos PMs contra manifestantes nos atos pacíficos que estão acontecendo na cidade. A publicação ainda destaca a declaração do historiador da UFRJ, Francisco Carlos Teixeira da Silva, que afirma que o governo de Sérgio Cabral é “mais violento do que a ditadura militar”.

[related_posts]

Segundo o Spiegel, a nova campanha de segurança do Estado visa contribuir com as autoridades na reconquista do controle das favelas às vésperas da Copa do Mundo. As UPPs visam reprimir a ação de traficantes dessas comunidades, “mas muitas vezes acabam por substituí-los com a sua própria regra brutal”, destaca o veículo.

A reportagem de Jens relata a operação no Conjunto de Favelas do Lins, que aconteceu de forma pacífica, como a secretaria de Estado do Rio havia prometido. O repórter detalhou a operação que durou 50 minutos e o momento em que os policiais hastearam a bandeira brasileira “como anúncio de tudo o que o Estado recuperou”. Nas linhas seguintes, a matéria explica que o complexo já havia sido dominado por grupos de traficantes perigosos, como também acontece na maioria das mais de 300 favelas do Rio de Janeiro. A Spiegel destaca que as UPPs “estão no centro da estratégia do governador do Rio, Sérgio Cabral Filho”. O texto relembra que a polícia criou, inicialmente, unidades permanentes nas favelas, que só eram ocupadas durante operações especiais que terminavam em fortes tiroteio e morte de inocentes.

A matéria conta que a única operação que resultou em violência pesada foi a ocupação do Complexo do Alemão, um dos maiores complexos de favelas no Rio de Janeiro, terminando em vários dias de tiroteios. “Desde a introdução das UPPs, a taxa de homicídios caiu drasticamente. (…) Mas quanto tempo vai manter a paz? Entre os muitos moradores da favela, a força policial do Rio de Janeiro tem uma reputação pior do que as quadrilhas de traficantes criminosos. Eles são vistos como bandidos e assassinos – e muitas vezes com razão, como admite o secretário de Segurança Beltrame”, destaca a matéria.

Capture

A revista relembra o caso do pedreiro Amarildo de Souza, supostamente torturado e morto por policiais militares da UPP da Rocinha, na zona sul da cidade e das muitas denúncias de moradores da comunidade que afirmam serem vítimas dos PMs. “Uma investigação feita por uma unidade especial chegou à conclusão de que ele [Amarildo de Souza] foi torturado com choques elétricos na presença do comandante da UPP do distrito e, eventualmente, assassinado. Seu corpo ainda está desaparecido. Ele provavelmente foi retirado da favela no porta-malas de um carro da polícia”, relata a matéria, que destaca em um dos trechos que “o crime lança uma sombra sobre toda a estratégia de pacificação do governo”.

O crime na Rocinha é avaliado de forma mais abrangente pela revista. “O delito é quase sem precedentes: tortura é rotina em muitas delegacias de polícia. Polícia, bombeiros e ex-militares formaram milícias que levam os traficantes para além de muitas favelas e que vão estabelecer seus próprios reinados de terror”, analisa o repórter da Spiegel. Mais adiante, a Spiegel ressalta que “os grupos de traficantes já tentaram várias vezes retomar favelas pacificadas. Houve tiroteio, especialmente no Complexo do Alemão. E bandidos que fugiram dessas favelas se refugiaram em outras favelas na periferia da cidade, levando a um aumento da violência suburbana”.

O Raios X da segurança no Rio de Janeiro feito pela Spiegel não faltou as atuais manifestações que estão tomando as ruas do Rio de Janeiro e marcadas por fortes confrontos entre manifestantes e Polícia Militar. “…a polícia está reprimindo mais brutalmente os manifestantes. Praticamente todas as semanas há uma batalha de rua no Rio de Janeiro entre manifestantes e policiais, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo e violência aparentemente excessiva, mesmo contra transeuntes”, relata. Em seguida, a matéria destaca um comentário de Francisco Carlos Teixeira da Silva, historiador da Universidade Federal do Rio de Janeiro: “A polícia foi menos violenta sob a ditadura militar do que no governador Cabral”.