Em Curitiba, metade das obras de infra-estrutura para Copa ainda não saíram do papel

The Pirate Bay começa a aceitar doações em BitCoins
24 de abril de 2013
Austrália prende membro do LulzSec
24 de abril de 2013

Em Curitiba, metade das obras de infra-estrutura para Copa ainda não saíram do papel

A pouco mais de um ano da Copa do Mundo de 2014, oito das 18 obras de infraestrutura e mobilidade previstas para o Mundial de futebol em Curitiba nem sequer foram contratadas. Além disso, as dez em execução estão atrasadas. O Tribunal de Contas do Estado (TCE) divulgou ontem o quinto balanço da Comissão de Fiscalização da Copa do Mundo 2014 e emitiu um parecer contundente sobre os possíveis resultados da demora nas construções. Segundo o TCE, há um grande risco de a maior parte das obras não ser concluída até o evento.

O relatório avaliou a situação dos projetos até 1.º de março deste ano. “Tememos não ter as obras concluídas até a Copa do Mundo”, afirmou o presidente do TCE, Artagão de Mattos Leão.

ctba

A consequência da demora é a clara possibilidade de Curitiba e o Paraná perderem a verba destinada pelos Planos de Aceleração do Crescimento (PACs) da Copa e da Mobilidade, além de linhas de crédito especiais. Todas as obras de infraestrutura e mobilidade custariam cerca de R$ 435 milhões. Quatro delas são de responsabilidade do governo estadual e 14, do município de Curitiba.

O TCE considera que há 12 obras no total. Mas, se forem contabilizados separadamente trechos diferentes do mesmo projeto, conforme o levantamento feito pela reportagem, o número chega a 18.

Benefício perdido

Por causa da demora, a capital paranaense já perdeu duas obras essenciais para o trânsito da cidade, o Corredor da avenida Cândido de Abreu e o Corredor Me­tropolitano. A segunda, primeiramente aprovada pelo PAC da Copa, mas excluí­da do programa por não cumprir os prazos, acabou migrando para o PAC da Mobilidade. No entanto, nem todos os projetos podem vir a ter essa “segunda chance”. Consequentemente, para seguir adiante com o cronograma, o governo do estado e a prefeitura de Curitiba terão de dispor da verba para terminá-las sem ajuda federal.

Um dos casos mais preocupantes é a extensão da Linha Verde Sul. Apenas 5% do projeto foi executado por falta de pagamento de uma das cinco parcelas da obra. Segundo o TCE, R$ 61 mil não foram pagos e a empreiteira contratada pediu a rescisão do contrato com a prefeitura. Até o momento, segundo o tribunal, o fim do contrato ainda não foi definido. “A gente considera um dos maiores problemas. Há um pedido de rescisão de contrato”, afirma o coordenador da comissão, Luiz Henrique Jorge. Outro problema é que ainda há um lote de obra na região para o qual não foi contratada empreiteira.

Além da dívida com a empresa responsável pela Linha Verde Sul, a prefeitura e o governo do estado deviam até 1.º de março deste ano R$ 35 milhões para as contratadas. O maior débito, R$ 17 milhões, está relacionado ao Sistema de Monitoramento Integrado, na parte da obra sob responsabilidade do município.

TCE analisa obras na Arena

O TCE está analisando relatório enviado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre todas as obras realizadas na Arena, estádio do Clube Atlético Paranaense. Uma decisão do TCU repassou a responsabilidade de fiscalização das obras da Arena para o TCE quando a liberação de recursos para o Atlético chegar aos 65%. Segundo o TCE, já foram liberados 44% para o clube.

A Comissão de Fiscalização da Copa do Mundo 2014 terá 45 dias para emitir um parecer quando 65% da verba estiver liberada. Por isso, a comissão tem se adiantado e analisado o conteúdo dos relatórios das obras. Segundo o TCE, o valor de crédito autorizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é de R$ 131,1 milhões.

obras atrasadas ctba