Guerra entre facções criminosas e policia é cada vez mais evidente em São Paulo

Quinto episódio de “O Mundo Amanhã” por Julian Assange
31 de outubro de 2012
Índios Paiter Suruís usam internet para pedir proteção de suas terras em Rondônia.
1 de novembro de 2012

Guerra entre facções criminosas e policia é cada vez mais evidente em São Paulo

Na última terça-feira (30), as Polícias Militar e Civil de São Paulo confirmaram a apreensão de um caderno na favela Paraisópolis, Zona Sul da cidade, contendo mais de quarenta nomes e apelidos de policiais marcados para morrer . O material ainda continha rotinas, endereços e até mesmo detalhes da vida de familiares dos alvos.

O caderno foi enviado para perícia.

Conhecendo melhor a situação

Somente nesse ano, cerca de cinquenta e sete PMs foram assassinados a sangue frio na capital e Grande São Paulo. A motivação para tais atos de violência seriam vingança e acerto de contas. As execuções foram encomendadas pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), informação confirmada nessa segunda-feira (29) confirmou pela primeira vez o secretário de Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto – que até então desmentia a própria polícia que vinha se queixando da falta de segurança e da guerra por ela enfrentada. O secretário chegou a afirmar com todas as palavras que os atentados até então eram casos isolados.

A situação se tornou mais caótica ainda à partir do momento em que foi decretado toque de recolher na semana passada para os moradores da cidade Tiradentes, extremo Leste de São Paulo; o tal toque de recolher se espalhou pela cidade chegando até a Zona Oeste também. Porém o secretário de Segurança Pública também nega e disse que toque de recolhe “é coisa de outros Estados” e que a polícia tem a situação sob controle acrescentando: “Aqui a polícia entra em qualquer lugar, aqui não precisa ter unidade pacificadora, não tem nada para pacificar em São Paulo”.

Por: Hunter
Equipe Anonymous Brasil