Índice da liberdade de imprensa no Brasil cai mais uma vez e começa a ser preocupante

Pequenas igrejas & Grandes negócios
3 de maio de 2013
EUA mantém Brasil em lista negra de pirataria
3 de maio de 2013

Índice da liberdade de imprensa no Brasil cai mais uma vez e começa a ser preocupante

Mais uma vez o Brasil tem um indíce de se envergonhar diante do resto do mundo. O país ficou na posicão 91 em um ranking que pesquisa o nível da liberdade de imprensa nos países dos 5 continentes e confeccionado pela organização internacional Freedom House, divulgado nessa semana. Com 46 pontos na escala de 1 a 100 a imprensa encontrada no Brasil foi classificada como ”parcialmente livre” (de acordo com a metodologia da Freedom House, quanto mais próximo de 1, mais livre é a imprensa) e ficou atrás de países como Chile, Peru e Uruguai. Suécia e Noruega lideram a lista.

A liberdade na imprensa brasileira manteve a mesma colocação, porém a nota do país piorou, de 44 para 46.  “O Brasil diminuiu em dois pontos o seu índice de liberdade da imprensa, refletindo um aumento no número de jornalistas que foram assassinados durante o ano, juntamente com a influência de interesses direto de políticos e grandes coorporações no conteúdo da imprensa. Ações legais contra blogueiros e companhias de internet, além de propostas de leis sobre crimes cibernéticos, também geram ameaças para a liberdade da expressão”, diz o relatório realizado pela FH.

liberdade

Outros dados altamente preocupantes de países latino-americanos vieram do Equador e do Paraguai, que integraram a lista no rol dos países “sem liberdade de expressão”. O rebaixamento da imprensa paraguaia se deu devido ao impeachment do ex-presidente Fernando Lugo, episódio que a imprensa paraguaia foi impedida por dias de dar voz á Lugo sob o pretexto oficial de que ”o ex-presidente poderia incitar a violência nas ruas de Assunção”, enquanto no Equador a entidade cita “o ataque do presidente Rafael Correa conta a imprensa em várias frentes”.

A lista da entidade internacional é elaborada a partir da soma de três notas contadas para a avaliação: pressões políticas e controles sobre o conteúdo da mídia, leis e regulamentos que influenciam o conteúdo de mídia e influências econômicas sobre o conteúdo transmitido pela mídia nacional. Para ser classificado como “livre”, o país precisa alcançar nota entre 1 e 30. De 31 a 60, a nação é considerada “parcialmente livre”. Uma nota entre 61 a 100 corresponde a “sem liberdade”.