Índios Paiter Suruís usam internet para pedir proteção de suas terras em Rondônia.

Guerra entre facções criminosas e policia é cada vez mais evidente em São Paulo
31 de outubro de 2012
3º dia da operação WeeksPayment
1 de novembro de 2012

Índios Paiter Suruís usam internet para pedir proteção de suas terras em Rondônia.

O povo Paiter Suruí, que na língua nativa significa “gente de verdade, nós mesmos”, está mobilizando internautas para tentar proteger seu território. Eles vivem na TI (terra indígena) Sete de Setembro, em Cacoal (476 km de Porto Velho), e há cinco anos vêm adotando a rede mundial e as redes sociais como estratégia de divulgação de sua causa.

Em 2007, durante uma palestra nos Estados Unidos sobre os problemas que enfrentavam, o cacique da tribo, Almir Suruí, pediu a executivos do Google que ajudassem seu povo a monitorar a floresta. Acabaram ganhando laptops, aparelhos de telefone celular e de GPS, que estão sendo empregados para fiscalizar e ajudar a combater a exploração dos recursos naturais em suas terras.

Mais de 30 índios foram treinados para monitorar o território usando os equipamentos doados pelo gigante de buscas na internet. Eles aprenderam a filmar e a postar vídeos no Youtube e descobriram o bom uso de ferramentas de geolocalização na internet para fiscalizar o território.

Na aldeia existe internet, mas a velocidade é baixa. São os próprios indígenas que pagam as despesas. Tanto o cacique como várias lideranças estão sempre conectados via smartphones, tablets e notebooks. Os vídeos produzidos pelo povo circulam pela rede e servem também para mostrar os problemas que enfrentam.

“Já enviamos para a Funai dezenas de imagens de vídeos que fizemos, com denúncias de desmatamento ilegal. Esse material nos ajuda no planejamento estratégico de nosso povo. Dessa forma fica melhor a construção de políticas públicas. O que queremos é fazer mudanças no atual modelo de desenvolvimento sustentável, nosso povo tem sido exemplo”, disse o cacique Almir.

Na sua página de relacionamento no Facebook, ele apela a internautas e a seus seguidores para assinarem uma petição on line. Quase 4.000 pessoas já assinaram, a meta é alcançar dez mil assinaturas e depois levar o documento até o governo federal como pedido de socorro.

O entorno da reserva indígena onde estão os suruís é cercado por grandes fazendas na divisa de Rondônia com o Mato Grosso. A terra dos suruís tem 247 mil hectares, onde vivem 1.350 índios. Eles já possuem certificação internacional para vender crédito de carbono. O projeto prevê lucro de R$ 2 milhões por ano sem derrubar a floresta. Apesar das pressões de “não índios”, os suruís tentam manter as tradições.

O primeiro contato desses indígenas com o homem branco foi registrado na década de 1960, e logo chegaram doenças que reduziram a população de quase 5.000 para 250 pessoas naquele período. Hoje a população já aumentou bastante, mas, ainda assim, a reserva indígena é alvo constante de madeireiros, e a internet tem sido o único meio para denunciar o avanço do desmatamento.

Tiago Suruí, coordenador da Funai em Cacoal, área de abrangência da reserva indígena, confirma que o clima é tenso na região. “As ameaças permanecem, nós não temos autorização para falar muito sobre o assunto, mas a retirada ilegal de madeira continua, e a tensão não mudou.”