Na volta do Carnaval, deputados estreiam tablets que custaram mais de R$ 609 mil

Renan Calheiros
Entrega de manifesto contra Renan Calheiros
19 de fevereiro de 2013
Justiça de SP quebra sigilos bancário e fiscal de Aurélio Miguel
19 de fevereiro de 2013

Na volta do Carnaval, deputados estreiam tablets que custaram mais de R$ 609 mil

Deputados recebem novos tablets

Deputados recebem novos tablets

Ao retornarem do recesso de duas semanas do Carnaval, os deputados federais irão estrear nesta semana o uso de tablets no plenário da Câmara. Recém-adquiridos pela Casa sob o argumento de que é preciso reduzir gastos, os equipamentos serão usados pelos parlamentares para consultar projetos e pareceres durante as sessões, em substituição aos enormes calhamaços de papel. Segundo a Câmara, em 2012, foram feitas cerca de 1,7 milhão de impressões. O parlamentar que não tiver tanta familiaridade com a tecnologia poderá contar com a ajuda de técnicos da Casa.

No total, 489 tablets foram instalados. Embora sejam portáteis, foram fixados nas mesas e, portanto, não poderão ser transportados. Cada tablet, modelo Samsung 10.1 de 16 Gb, custou à Câmara R$ 1.109, totalizando pouco mais de R$ 542,3 mil.

Para a equipe de taquigrafia, que faz o registro dos discursos, foram comprados 50 iPads 2, que também serão usados pelos integrantes da Mesa Diretora. Foi preciso adquirir um equipamento diferente do sistema do plenário porque o programa específico usado na taquigrafia só roda em iPad. Cada iPad custou R$ 1.349. Assim, o gasto total da Câmara com os 539 tablets chegou a R$ 609,7 mil.

Outras medidas tecnológicas foram adotadas para tentar agilizar a atividade parlamentar. Terminais de atendimento com telas sensíveis ao toque e leitores biométricos serão acessados pelos deputados para, entre outras coisas, poderem se inscrever para discursar na tribuna.

Também com esse sistema os deputados poderão coletar eletronicamente assinaturas dos seus pares em apoio a projetos. Até então, a adesão para proposições que exigem apoio de mais parlamentares, como a apresentação de uma PEC (proposta de emenda à constituição), por exemplo, ou a instalação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), era feita manualmente, o que demorava muito.

Custos

No caso do Senado, os senadores também receberam tablets do mesmo modelo instalado na Câmara, com a diferença que não foram fixados nas mesas e podem ser transportados.

Os aparelhos, no entanto, custaram mais ao Senado: cada um saiu por R$ 1.718, 55% a mais do que a Câmara pagou.

Embora as duas compras tenham sido feitas por meio de licitação eletrônica, a diferença no valor, segundo as Casas Legislativas, se deve à quantidade maior de equipamentos adquiridos pela Câmara (489) em comparação aos comprados pelo Senado (110).

De acordo com o Senado, em junho de 2012, seis meses após a aquisição dos equipamentos, houve redução média de 61% no custo com a impressão de documentos –em algumas comissões, chegou a 80%. No total, a Casa economizou R$ 1,85 milhão em insumos gráficos com a substituição das publicações oficiais impressas.