Petição online que pede impeachment do presidente do Senado ultrapassa sua meta

Comunidades ameaçadas de despejo por obras da copa formam coletivo
9 de fevereiro de 2013
papa
Bento XVI surpreende o mundo ao anunciar a sua renúncia do pontificado
11 de fevereiro de 2013

Petição online que pede impeachment do presidente do Senado ultrapassa sua meta

ladrão

Um fato ‘histórico’ e supreendente ocorreu nesse domingo (10), uma petição online (contida na plataforma Avaaz) pedindo o impeachment do presidente do Senado Federal (Renan Calheiros), conseguiu contabilizar a marca de pouco mais que 1 milhão e  370 mil assinaturas em 10 dias (até o final dessa matéria), superando os 1 milhão e 360 mil tidos como meta inicial desse protesto, em 1° de fevereiro.

ladrão

Os manifestantes pedem a imediata saída do senador peemedebista que em 2007 renunciou a mesma cadeira no Senado em meio ás denúncias de corrupção. As novas acusações da Procuradoria Geral da República são as de peculato, falsidade ideológica e utilização de documento falso, onde ‘Renan Calheiros teria emitido notas frias por supostos serviços com a verba destinada ao seu gabinete’, explicou Roberto Gurgel, procurador geral da República.

Rebatendo as críticas deferidas por Calheiros, segundo o qual essas acusações teria um interesse político, já que foram iniciadas dias antes da votação da presidência do Senado Federal; Gurgel afirmou que o MPF não pode e nem estará subordinado á qualquer conveniência de partidos políticos. Roberto Gurgel disse ainda que possui um dossiê com 17 páginas onde possui documentos que acusam Renan Calheiros da emissão das notas frias e que não entrou com uma representação no Supremo Tibunal Federal antes, pois estava ocupado com o processo do ”mensalão”.

Mesmo se toda essa mobilização popular não findar com mais uma renúncia de Renan Calheiros ao posto de senador, a rápida repercussão na mídia e a própria mobilização do povo no breve espaço de tempo; mostra que ao contrário dos que muitos acham, o povo brasileiro pode estar sim acordando para o problema (ao menos o da corrupção).