Petição para que Brasil dê asilo a Snowden já tem 70 mil assinaturas

telexfree
Telexfree, bloqueada, ainda permite registros a partir do Brasil
23 de dezembro de 2013
Caças
Governo brasileiro confirma compra de 36 caças supersônicos da Suécia
23 de dezembro de 2013

Petição para que Brasil dê asilo a Snowden já tem 70 mil assinaturas

Edward Snowden

Edward Snowden se tornou conhecido mundialmente após revelar os esquemas de espionagem dos Estados Unidos por meio da NSA (Agência de Segurança Nacional). Na tentativa de ajudá-lo, David Miranda criou uma petição pedindo para que o Brasil conceda asilo ao ex-agente da CIA.

Miranda, que é namorado de Gleen Greenwald, o jornalista que deu voz a Snowden, espera conseguir 50 mil assinaturas com a petição, intitulada “Asilo no Brasil para o corajoso Edward Snowden!”. Até o momento da publicação desta matéria, 70 mil pessoas haviam registrado seus nomes no documento.

“O Brasil, um dos principais alvos da espionagem, deveria oferecer abrigo a alguém que nos abriu os olhos para a vigilância norte-americana indiscriminada e em escala global”, menciona o documento.

No início da polêmica, Snowden havia feito um pedido coletivo de asilo para mais de 50 países, entre eles o Brasil, que não respondeu. Atualmente, o ex-agente está asilado temporariamente na Rússia.

Auxílio em troca de asilo

Em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo, o ex-técnico da NSA (Agência de Segurança Nacional) diz que o país é “uma das mais interessantes e vibrantes democracias do mundo”.

Segundo ele, “nunca vai trocar informações por asilo”, mas afirma que, se o governo oferecer, vem morar no Brasil: “Claro! Se o governo brasileiro quiser defender os direitos humanos, será uma honra para mim fazer parte disso”.

Exilado na Rússia, ele diz que acompanha diariamente a repercussão das revelações feitas a partir dos documentos da NSA e que, mesmo longe de casa e da família, não tem arrependimentos.

Ele afirma se sentir “encorajado e impressionado pela crescente liberdade política que os brasileiros estão vivendo”. Cita como exemplo a vida de Glenn Greenwald, jornalista que tem revelado detalhes da espionagem americana, que vive e trabalha “de forma livre e segura no Brasil, apesar da pressão feita por EUA e Reino Unido”.

Quanto ao seu país, diz que “a lei americana não faz diferença entre quem denuncia programas ilegais e um espião que vende segredos para terroristas”. Por isso, acredita que não teria um “julgamento justo” se voltasse aos EUA.

Na última semana, ela publicou uma carta aberta aos brasileiros, em que revelada interesse em asilo pelo governo Dilma Rousseff.

A presidente, no entanto, ressaltou que não recebeu uma solicitação formal do americano e que, portanto, não acha que o governo brasileiro deve se manifestar sobre o assunto.