Protesto pela melhoria do SUS no Hospital Sírio-Libanês

EUA espionam mais de 31 bilhões de fotos por dia
14 de agosto de 2013
Atropelador de Ribeirão Preto pede desculpas
14 de agosto de 2013

Protesto pela melhoria do SUS no Hospital Sírio-Libanês

Manifestantes entraram em confronto na noite de terça-feira (13) com a Polícia Militar e seguranças do Hospital Sírio-Libanês, centro de São Paulo. O grupo, que protesta contra as parcerias privadas no Sistema Único de Saúde (SUS), tentou entrar no saguão do hospital e foi impedido pela equipe de segurança da instituição e a PM, que usou spray de pimenta.

Os manifestantes pediram, então, que um dos diretores do hospital descesse até a portaria para falar sobre as reivindicações. Como não foram atendidos, o grupo tentou invadir o pronto-socorro. Houve novo confronto, cadeiras foram danificadas e novamente os policiais usaram spray de pimenta.

O Sírio-Libanês ofereceu a possibilidade de receber dois representantes do Fórum Popular de Saúde, movimento que organizou o protesto. Os ativistas disseram, no entanto, que o fórum não é uma organização horizontal e, por isso, não tem representantes ou lideranças. Após o tumulto, os manifestantes seguiram em passeata para a Secretaria de Estado de Saúde, na avenida Doutor Arnaldo. Eles pedem a demissão do secretário de Saúde, Giovanni Guido Cerri.

Este foi o segundo ato convocado pelo fórum, que reúne militantes e profissionais de saúde. O ativista Paulo Spina disse que o fórum considera o Hospital Sírio-Libanês um símbolo da privatização da saúde. “A nossa manifestação é impaciente, é radical, porque nós estamos cansados das pessoas sofrerem na fila do SUS, por não ter atendimento. E a gente quer que as pessoas percam a paciência com a gente e venham para a rua”, declarou.

O hospital é reconhecido por tratar políticos. No momento, por exemplo, passam por tratamento no local o senador José Sarney (PMDB-AP) e o deputado José Genoino (PT-SP).