No Mundo

Havia algo deliciosamente fortuito na queda de energia elétrica no norte do Quênia em 27 de maio, enquanto o juiz J.A. Makau lia sua muito aguardada decisão em um caso que poderia alterar o status das mulheres e das meninas no Quênia, talvez em toda a África.

Mas as luzes voltaram. E o juiz no tribunal superior em Meru declarou: “Ao não fazer cumprir as leis existentes, a polícia contribuiu para o desenvolvimento de uma cultura de tolerância com a violência sexual generalizada contra meninas e impunidade”.

Culpado.

Uma história extraordinária de tenacidade e coragem, inteligência e sobrevivência, levou a essa vitória.

Três anos antes, 160 meninas com idades entre 3 e 17 anos processaram o governo do Quênia por fracassar em protegê-las do estupro. Agora elas fizeram história: por meio de uma ação constitucional –responsabilizando o Estado pelo tratamento dado pela polícia aos casos de estupro– as meninas garantiram para si mesmas acesso à Justiça e proteção legal contra estupro para todas as 10 milhões de meninas no Quênia.

Uma criança é estuprada a cada 30 minutos no Quênia. Um dos motivos é a ideia demente de milhares de homens na África sub-Saara de que fazer sexo com uma criança os curará do HIV e Aids. De fato, a crença é de que quanto mais jovem for a menina, mais forte será a cura.

Apesar de existir leis adequadas no código penal queniano para proteção das meninas, há quase total impunidade para os perpetradores. As leis não são aplicadas e a prática do estupro está em ascensão.

Em 90% dos casos, as vítimas foram estupradas por pessoas que conheciam –pais, tios, irmãos, vizinhos, professores, padres– as mesmas pessoas que tinham a tarefa de protegê-las.

Quando a menina não morre vítima de seus ferimentos, ela enfrenta o abandono. Ninguém deseja ter nada a ver com uma menina estuprada. Ela perde sua chance de ir à escola. Ela provavelmente é contaminada pelo HIV ou outra doença sexualmente transmissível. Ela pode engravidar. Sua infância acaba. Ela se torna pobre, sem saúde e carente.

Foi preciso coragem e tenacidade para as 160 meninas enfrentarem um sistema que fracassou com elas. Em 11 de outubro, quando o caso chegou ao tribunal em Meru, os advogados delas marcharam pelas ruas, do abrigo onde as garotas estavam até o tribunal. As garotas também queriam participar da marcha, mas foram instruídas que a identidade delas precisava ser protegida e que deviam permanecer no abrigo. Não adiantou nada, disseram os advogados. Elas marcharam ao lado de seus advogados cantando, “Haki yangu” –”eu exijo meus direitos” em suaíli.

Os guardas no tribunal fecharam os portões com a aproximação das meninas. Mas elas escalaram a cerca ainda cantando “Haki yangu” e então começaram a rir diante da inversão dos papéis em frente delas.

Elas diziam umas às outras: “Olhem, esses homens que nos feriram, que nos deixaram envergonhadas, agora estão com medo de nós!” Logo os portões foram abertos e as meninas e seus advogados entraram no tribunal.

O caso teve início de fato quando advogados do Quênia, Maláui, Gana e do Canadá se reuniram na Faculdade de Direito Osgoode Hall, em Toronto, e a discussão deles se voltou para o aumento alarmante do estupro no Quênia.

A ação foi ideia de Fiona Sampson, uma canadense que dirige uma organização chamada Equality Effect, que usa a lei internacional de direitos humanos para melhorar as vidas de meninas e mulheres. Ela se uniu com Mercy Chidi, diretora de um abrigo em Meru chamado Ripples International. Juntas, elas sabiam que era hora de enfrentar o problema: a impunidade dos estupradores e o fracasso da Justiça em condená-los.

A jornada realizada por essas crianças envolve garotas ousando quebrar tabus e se manifestando sobre ataques sexuais. Envolve mulheres advogadas dos dois lados do mundo apoiando crianças na busca por justiça. Envolve crianças para as quais foi dito que não tinham direitos, mas que insistiram que tinham. E é a reação pela qual mulheres e meninas de toda parte estavam esperando.

Quarenta e oito horas após a decisão da corte, Fiona Sampson soube de pessoas em meia dúzia de países que queriam fazer o mesmo. É como se uma prática de séculos tivesse chegado ao fim.

*Sally Armstrong, uma jornalista canadense, é autora, mais recentemente, de “Ascent of Women: Our Turn, Our Way –A Remarkable Story of World-Wide Change”

16 de julho de 2014
0251078001388323580_thumb_visualizar

160 meninas processam o governo do Quênia por conivência com estupro

Havia algo deliciosamente fortuito na queda de energia elétrica no norte do Quênia em 27 de maio, enquanto o juiz J.A. Makau lia sua muito aguardada […]
13 de julho de 2014
2012111845959823734_20

Extermínio da população palestina promovido pela criação de Israel

 Em 3 dias, Israel já matou 76 palestinos e deixou mais de 500 feridos. Muitos amigos palestinos estão compartilhando fotos horríveis de crianças despedaçadas, mutiladas e […]
8 de maio de 2014
Peter Sunde

Peter Sunde do Pirate Bay lança vídeo de campanha política

Peter Sunde, sueco com raízes finlandesas, possui inúmeros projetos na internet, mas seu trabalho mais famoso foi um que pode levá-lo à prisão: o Pirate Bay. […]
28 de abril de 2014
house-building

Cemitério indígena é silenciosamente destruído na Califórnia

Um cemitério de índios americanos com 4.500 anos de existência, um dos mais ricos e mais bem preservados na Califórnia, foi pavimentado para dar lugar a […]
3 de abril de 2014
Autor de “As veias abertas da América Latina” será candidato pela Frente Ampla, que é o bloco que elegeu Mujica, atual presidente uruguaio.

Eduardo Galeano será candidato ao Parlamento do Uruguai

O escritor e jornalista Eduardo Galeano será candidato ao Parlamento do Uruguai nas próximas eleições de 26 de outubro, de acordo com a agência de notícias […]
12 de março de 2014
bolsa-família-eua-snap-500x336

“Bolsa Família” dos EUA mata a fome de 40 milhões de americanos

Lá, é o SNAP – Supplemental Nutrition Assistance Program – que ajuda 40 milhões de americanos de baixa renda a se alimentarem, no mesmo esquema de cartão magnético […]
9 de março de 2014
Rússia e China juntos - Putin e Wen Jiabao

Ucrânia: Rússia e China ameaçam os EUA com cobrança de dívida

A crise ucraniana escancarou e radicalizou um conflito, de caráter geopolítico, que já vinha se delineando no mundo todo desde que os EUA começaram a colocar […]
5 de março de 2014
Adolfo-Pérez-Esquivel1

Nobel da Paz critica influência dos EUA nos protestos da Venezuela

Nobel da Paz, escritor Adolfo Pérez Esquivel criticou papel dos EUA nos protestos e disse: “Tudo isso para produzir mudanças que não se fazem por meio […]
1 de março de 2014
leopoldo-lópez-venezuela1

Conheça Leopoldo López, radical ligado ao setor petroleiro que prega golpe na Venezuela

 Leopoldo Lopez é criticado até por setores da oposição – por ter decidido sozinho chamar os jovens às ruas pra derrubar o governo eleito da Venezuela. […]
27 de fevereiro de 2014
venezuela1

Protestos na Venezuela: web é usada para difundir imagens falsas ou descontextualizadas.

Em abril de 2002, a atuação dos principais veículos de comunicação privados na Venezuela foi decisiva para a derrubada – apesar de breve – de Hugo Chávez. Conforme […]