‘Ele não é louco’ diz especialista sobre ameaças do governo norte-coreano

Mega
Mega já consumiu equivalente a metade da banda da Nova Zelândia
5 de abril de 2013
Virus no Skype usa PC da vítima para roubar Bitcoins
8 de abril de 2013

‘Ele não é louco’ diz especialista sobre ameaças do governo norte-coreano

Um problema mal resolvido que se arrasta há mais de seis décadas. Colônia do Japão antes da Segunda Guerra Mundial, a Coreia foi dividida em duas por americanos e soviéticos. O norte comunista e o sul capitalista se enfrentaram na Guerra da Coreia, que deixou milhares de mortos nos anos 50. Depois do cessar-fogo, nunca assinaram um tratado de paz.

O sul enriqueceu, o norte empobreceu com o fim da União Soviética e o início de uma ditadura que se perdura até hoje. Kim Jong-un, o atual presidente, tem 30 anos. Assumiu o poder no fim de 2011, com a morte do pai, Kim Jong-il

jong un

Em pouco mais de um ano no comando da Coreia do Norte, o jovem mandatário ficou rapidamente conhecido no mundo inteiro e adotou um estilo bem diferente do pai, que era introvertido. Adora aparecer em público e não se cansa de chocar a comunidade internacional. Diante das últimas ameaças, o mundo se pergunta: será que ele é louco e realmente perigoso?

De janeiro para cá, Kim Jong-un declarou que os Estados Unidos são inimigos e lançou um terceiro teste nuclear. Depois que foi repreendido pela Organização das Nações Unidas (ONU), anunciou um estado de guerra com a Coreia do Sul e disse que o território americano poderia ser alvo de mísseis.

Enquanto o governo americano diz que leva as ameaças a sério, os comediantes fazem piadas. Jong-Un, que estudou na Suíça quando era adolescente, é fã de basquete americano. Em 2012, foi eleito por uma revista de piadas estados-unidense como ‘o homem mais sexy do mundo’.

‘Ele não é louco. É muito racional. Com as ameaças quer forçar os Estados Unidos e os aliados a retomarem as negociações com a Coreia do Norte. Conseguir incentivos para a economia, comida e combustível para manter o regime completo’, diz Marc Minton, estudioso do tema Coreia.

Para ele, o ataque nuclear não passa de um blefe. ‘Melhor imaginar Kim Jong-un como um menino gordinho e inofensivo dos filmes de animação’.