No, I’m not going to the world cup

AV. Paulista - SP
Sétimo grande ato contra o aumento das passagens SP
19 de junho de 2013
facebook
Falha expõe dados de 6 milhões de usuários do Facebook
24 de junho de 2013

No, I’m not going to the world cup

No, I'm not going to the world cup.

Brasileira residente nos EUA faz vídeo criticando a Copa do Mundo.

No, I’m not going to the world cup.

Brasileira e residente nos Estados Unidos, em Los Angeles, Carla Dauden, de 23 anos, depõe em vídeo postado no YouTube, com mais de 1.300.000, um milhão e trezentos mil visualizações, sobre os motivos pelos quais não vai à Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Formada em Cinema pela CSU Long Beach, ela não dorme há dois por causa do sucesso de seu vídeo, compartilhado por milhares de pessoas após a onda de protestos que teve o ápice na segunda-feira. Na gravação, ela critica os bilhões gastos para a realização do evento, enquanto problemas graves ainda são enfrentados por brasileiros, como a pouca atenção à saúde e educação . Agora ela é assediada pela imprensa internacional: BBC, Al-Jazeera, um canal de TV da Colômbia, uma rádio na Irlanda e um veículo da Bélgica já entraram em contato para entrevistá-la.

– Ia voltar para o Brasil nesta quarta-feira, mas agora não sei mais. Acho que é importante falar sobre essas coisas com as pessoas que estão me procurando – diz ela.

O vídeo foi produzido com a ajuda de um amigo. Motivação: a forma equivocada, segundo ela, do ponto de vista estrangeiro sobre o Brasil:

– O fato de eu morar aqui fora e perceber que eles têm uma imagem comercial do país (me motivou). Queria mostrar a realidade do Brasil. Quando eu falo que sou do Brasil, todo mundo fica animado, e logo fala: ‘Brasil, uauuu. Copa do Mundo’. Então, eu sempre tenho que falar que não é bem assim.

O discurso gravado pela jovem é falado em inglês, para que os estrangeiros possam compreender sua posição. As legendas são em português.

– Agora me diga, em um país onde o analfabetismo pode atingir 21% e é em média 10%. Um país que é número 85 no ranking de desenvolvimento humano e onde 13 milhões de pessoas passam fome todo dia. E onde muitas pessoas morrem esperando por tratamento médico. Esse país precisa de mais estádios? – pergunta Carla.

A jovem afirma que a produção do vídeo não foi influenciada pelos protestos no país. Por acompanhar de longe, pela internet, Carla acha que não é a pessoa adequada para avaliar a situação. “São vários protestos (com reivindicações diferentes)”, diz ela. Entretanto, ficou feliz com a repercussão e a mobilização de pessoas com o tema. Ela tem apenas uma preocupação:

– A única coisa que me deixa preocupada é que estão publicando os meus vídeos com títulos diferentes, como “Não vá à Copa”. Não é isso. Não tenho nada contra quem quer ir. E a minha posição está no vídeo.

Carla sabe por experiência própria que o país ainda tem muito o que mudar. Nascida em São Paulo, aos 12 anos mudou-se para Florianópolis por causa da violência. Sua família havia sido assaltada várias vezes.