Sucateamento do serviço privado de eletricidade leva Evo Morares a nacionalizar 4 filiais controladas pela família real britânica

camara-dos-deputados
Procurador da Câmara pedirá á Justiça que censure os vídeos na internet que venham desagradar os parlamentares
6 de março de 2013
Internet
Governo vai investimento R$ 100 bi em banda larga
6 de março de 2013

Sucateamento do serviço privado de eletricidade leva Evo Morares a nacionalizar 4 filiais controladas pela família real britânica

iberdrola

O que está por trás da nacionalização do setor elétrico?

A nacionalização de quatro filiais de Iberdrola colocou o setor sob o controle do estado boliviano. Por trás encontra-se o sucateamento dos serviços públicos privatizados.

 

No dia 29 de dezembro, o governo Evo Morales anunciou a nacionalização de quatro filiais da empresa espanhola Iberdrola – Electropaz, Elfeo de Oruro, Cadeb (Compañía Administradora de Empresas Bolivia) e Edeser.

O motivo alegado foi que cobravam mais do dobro nas tarifas dos consumidores das regiões rurais, o que teria levado à formação de pequenas cooperativas e empresas rurais que funcionavam precariamente. No mês de maio, o governo tinha nacionalizado a empresa Transportadora de Electricidad, filial da Red Eléctrica de Espanha.

Por trás da multinacional espanhola encontram-se grandes capitais financeiros norte-americanos como a General Electric CapitalMission FundingStructure Finance e o Banco Santander, este último propriedade da família real britânica que o controla por meio do Grupo Alpha.

Agora, todos os serviços de energia elétrica serão controlados pelo estado, mediante a Empresa Nacional de Eletricidade, desde a geração até a distribuição. O governo pretende reduzir as tarifas pela metade.

Também foram nacionalizadas aproximadamente 15 empresas dos setores de hidrocarbonetos, cimento e minas desde 2006, que tinham sido entregues em processos altamente fraudulentos durante o auge do neoliberalismo na década de 1990. No caso de Iberdrola, a novidade é que a nacionalização aconteceu numa empresa que nunca tinha sido estatal.

O que impulsionou a nacionalização de Iberdrola?

O enfrentamento com os trabalhadores mineiros e a negativa de nacionalizar a mina de Colquiri enfraqueceu o controle da COB (Central Obrera Boliviana) e dos sindicatos. O enfrentamento com os indígenas também ficou evidente em vários episódios, a começar pelo de Tipnis quando se opuseram à construção de um rodovia que passaria pelo Parque.

Apesar do governo ter declarado que indenizará Iberdrola pelo “valor justo”, a nacionalização voltou a expor o sucateamento dos serviços públicos pelas multinacionais que os passaram a operar. A partir da segunda metade de 2011, a Espanha ficou no centro do aprofundamento da crise na Europa. As empresas com matrizes no País e filiais na América Latina passaram a sucatear abertamente os serviços prestados e a remeter um volume de recursos maiores para cobrirem os rombos.