“Syrian Electronic Army” diz ter hackeado Twitter e New York Times

escritora
Entrevista com autora do livro “Vozes do Bolsa Família”
28 de agosto de 2013
seguranca_internet
Hashcat – O poderoso software para quebra senhas criptografadas
28 de agosto de 2013

“Syrian Electronic Army” diz ter hackeado Twitter e New York Times

Syrian Electronic Army

Esta terça-feira, 27, foi um dia conturbado na internet mundial. O Twitter, o site do tradicional veículo New York Times e o Huffington Post britânico sofreram com ataques de hackers, que alegam pertencer a um grupo chamado “Syrian Electronic Army” (“Exército Eletrônico Sírio”, em português).

No início da tarde, o NYT esteve fora do ar por alguns minutos. Alguns dos internautas que tentaram acessar a página se depararam com uma imagem que dizia “Hackeado pelo Exército Sírio Eletrônico”. Logo em seguida uma porta-voz do jornal tuitou que o site estava sofrendo “ataques externos maliciosos”.

Syrian Electronic Army

Um pouco mais tarde, o mesmo grupo conseguiu alterar configurações de WHOIS do domínio do Twitter, modificando informações e incluindo a sigla SEA (Syrian Eletronic Army) no e-mail para contato.

 

Aparentemente, quem também sofreu foi o domínio twimg.com, que teve seus registros DNS alterados. O endereço é usado pelo Twitter para as imagens, cookies e outras ferramentas, o que significa que a página não carregava corretamente as fotos dos usuários em muitos clientes da rede.

O Twitter emitiu um comunicado oficial confirma os problemas com o domínio twimg.com, mas afirma que os registros originais já foram restaurados. Nenhuma informação de usuários foi afetada, revela a empresa.

Em abril, os hackers também invadiram algumas contas no Twitter, como a da agência Associated Press, mentindo que bombas haviam explodido na Casa Branca.

O HuffingtonPost britânico, mais um veículo informativo, também sofreu com tentativas de ataque em seu DNS, mas não chegou a sair do ar. O New York Times já voltou ao normal.

Alguns veículos americanos acusam o grupo de hackers de serem pró-regime sírio e fiéis ao presidente Bashar Al-Saad.