Transmissão de ‘V de Vingança’ na China choca espectadores

Irã diz ter apreendido mais dois pequenos drones dos EUA
3 de janeiro de 2013
Ubuntu será lançado para smartphones até 2014
4 de janeiro de 2013

Transmissão de ‘V de Vingança’ na China choca espectadores

A rede de televisão estatal da China chocou os telespectadores ao transmitir V de Vingança, um filme de temática anarquista que mostra uma revolta contra um governo autoritário.

v-for-vendetta

Os internautas chineses demonstraram surpresa depois de assistirem ao filme, divulgando algumas das mensagens subversivas da produção, incluindo: “As pessoas não devem ter medo do governo, o governo deve ter medo do povo”.

O filme foi exibido no horário nobre na CCTV 6 – canal de filmes da emissora estatal. Mas o título foi traduzido para V Forças Especiais.“Estou sonhando?”, se perguntou um usuário do Sina Weibo – um site similar ao Twitter – depois de ver o filme, se juntando a milhares de outros que postaram mensagens similares.

O filme havia sido proibido na China, informou o jornal estatal China Youth Daily, e não foi exibido nos cinemas chineses. Os usuários de internet se perguntaram se a transmissão indicava um relaxamento da censura – embora a maioria não acredite que o fato signifique uma mudança importante na política.

“Não é fácil para um filme com esse tipo de conteúdo ser transmitido na CCTV, eu não tenho certeza se é um sinal, vou esperar e ver”, disse um usuário do Sina Weibo. A CCTV não respondeu imediatamente aos pedidos da AFP para comentar o fato.

O filme, estrelado por Hugo Weaving e Natalie Portman, se passa em uma versão distópica da Grã-Bretanha, e retrata um lutador corajoso e carismático conhecido como “V”, que inicia uma revolução contra o regime totalitário.

A máscara do protagonista se tornou um símbolo para os ativistas contrários aos regimes autoritários em todo o mundo, com o grupo hacker Anonymous escolhendo-a como seu símbolo. O Anonymous reivindicou estar por trás de um ataque contra o governo chinês em abril, quando os sites governamentais foram substituídos por mensagens criticando a China por controlar o acesso à internet.