Câmara gastará R$ 3,7 mil para analisar café

Gastos secretos com cartão corporativo chegam a R$ 89,7 milhões em três anos
26 de março de 2012
Anonymous Brasil – Atacaramos site da embaixada portuguesa no Brasil
27 de março de 2012

Câmara gastará R$ 3,7 mil para analisar café

“Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia”. Um exemplo: a Câmara dos Deputados contratou a prestação de serviços da empresa SFDK Laboratório de Análise de Produtos Ltda., com dispensa de licitação, para realizar análises macroscópicas e sensoriais de café em pó, torrado e moído, ao custo total de R$ 3,7 mil. A prestação do serviço, em si, custará R$ 1,5 mil, já com a análise macroscópica do café serão gastos R$ 1,3 mil. Fecha a conta a análise sensorial, com R$ 936,00.

O Supremo Tribunal Federal também pretende começar a semana com bom apetite. Foram emprenhadas as compras de duas sanduicheras/grill no valor de R$ 72,50 cada, por meio de pregão, que devem ter capacidade para dois ou mais sanduíches para qualquer tipo de pão, revestimento interno antiaderente, trava de fechamento, alças antitérmicas e potência de 700W.

Quanto ao Tribunal Superior do Trabalho, a preocupação é com outro sentido: a audição. Está prevista a compra de 80 fones de ouvido com custo total de R$ 4,1 mil. Com valor de R$ 51,23 cada, os fones terão alta potência de entrada para monitoração em altos volumes, corpo hermeticamente fechado com alta capacidade de isolação sonora, almofadas alcochoadas e potente reprodução de graves alto-falantes. Também apresenta plugue de 1,5m e adaptador banhado a ouro.

Na mesma linha, o Senado Federal pretende gastar R$ 2,6 mil na compra de 150 fones de ouvido da marca Philips, no valor unitário de R$ 17,66. Também está prevista a compra de outros 150 fones que custam R$ 48,99 cada, orçados em R$ 7,3 mil no total, com as especificações de terem potência 500MW, frequência de 15 a 28.000 HZ, tipo headfone com mecanismo auricular flexível, autofalantes com no mínimo 40mm, controle de volume e sensibilidade de 102 decibéis.

Além dessas necessidades, o Senado pretende investir em questões menos funcionais: R$ 13,1 mil serão gastos com buffet, divididos em R$ 4,2 mil para coquetel e R$ 8 mil para 400 unidades de “kit lanche”. Também são previstos R$ 816,00 em arranjos para plenário, sem maiores especificações. A empresa responsável será A&C Eventos e Produções Ltda.

A Secretaria de Administração da Presidência da República, por sua vez, deverá desembolsar valores bem menos modestos: R$ 124,4 mil na compra de 118 impressoras coloridas a laser, com conexão de rede e recurso automático de impressão em frente e verso, marca Okidata C330DN, conforme especificações do edital.

Completando o carrinho, voltamos à Câmara. A casa pretende gastar R$ 6,9 mil com a instalação e manutenção de sprays automáticos em banheiros e mictórios, a encargo da empresa Bobson Brasília Higiene Ltda. No entanto, o maior gasto da semana se refere à prestação de serviços de conservação, limpeza, portaria, zeladoria e garagista com fornecimento de material, em imóveis funcionais da Câmara dos Deputados. O valor para atender as despesas ficará pouco acima de R$ 4,5 milhões, para o período de 1° de abril até 31 de dezembro de 2012, sendo R$ 4,4 milhões mensais e R$ 243,9 mil de 13° salário.

Confira aqui as notas de empenho