Envolvido no mensalão do DEM doou R$ 8,2 milhões ao PSDB

Envolvido no mensalão do DEM doou R$ 8,2 milhões ao PSDB

Escândalo do Mensalão no Distrito Federal, também conhecido como Mensalão do DEMMensalão no Distrito FederalMensalão do GDFMensalão do Democratas de Brasília, é o nome popular do escândalo de corrupção que surgiu no final de novembro de 2009 pela Polícia Federal, através da Operação Caixa de Pandora e baseada nos depoimentos de Durval Barbosa.

Um dos envolvidos no mensalão do DEM – esquema de corrupção que levou à prisão do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda -, foi o terceiro maior financiador da campanha do PSDB. O empresário José Celso Gontijo, investigado pela Polícia Federal, doou à direção nacional tucana nas eleições deste ano o valor de R$ 8,2 milhões.

A  Polícia Federal (PF) realizou buscas na Câmara Legislativa de Brasília, na residência oficial do governador Arruda, nas casas de dois secretários dele e de quatro deputados distritais.7 As buscas também foram feitas em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.6 A PF apreendeu documentos e computadores na Câmara Legislativa, no Tribunal de Contas do Distrito Federal e em gabinetes e residências de secretários e assessores do governador, em um dos gabinetes fica anexo à residência oficial do governador, mas Arruda mora em uma casa particular. A PF também apreendeu R$ 700 mil em dinheiro.6 A Polícia Federal informou na noite do mesmo dia que teve de antecipar a operação por causa da suspeita de vazamento de informações para os investigados um inquérito será aberto para investigar o caso.

Não foi só o ex-governador José Roberto Arruda (ex-DEM-DF) que recebeu a primeira condenação (5 anos e 4 meses de prisão e multa de R$ 400 mil) após o do “mensalão do DEM” . O presidente do PSDB-DF, Márcio Machado, foi condenado junto, a 4 anos e 8 meses de prisão e multa de R$ 300 mil, em ação impetrada pelo Ministério Público do DF. Marcio Machado era secretário de Obras do governo Arruda e contrataram a reforma do ginásio Nilson Nelson, em 2008, por R$ 10 milhões, sem licitação.

Apesar de sua construtora não tocar obras em Roraima, Gontijo é sócio da Call Tecnologia, que faz serviço de telemarketing para órgãos público e é investigada como uma das empresas que abasteciam o esquema de corrupção no governo Arruda. Um dos clientes dela é a Boa Vista Energia, braço da Eletrobras no estado. Até ser eleito, Rodrigo de Holanda Menezes Jucá, filho do senador, integrava o conselho de administração da Boa Vista Energia.