Crackers roubaram dados de 160 milhões de cartões

Dissertação:O contexto histórico dos instrumentos de controle a serviço da corrupção
26 de julho de 2013
Goiânia aprova passe livre para estudantes
26 de julho de 2013

Crackers roubaram dados de 160 milhões de cartões

Quatro crackers da Rússia e um da Ucrânia foram indiciados em Nova Jersey por participar de um esquema de pirataria mundial que tinha como alvo grandes redes corporativas. Os acusados chegaram a roubar dados de 160 números de cartão de crédito, segundo anunciou o Departamento de Justiça dos EUA (DOJ).

Os crackers atacaram redes de diversas empresas, incluindo a Nasdaq, 7-Eleven, JCP, Dow Jones e Hannaford. As companhias relataram 300 milhões de dólares em perdas com os ataques, disse o Departamento de Justiça em um comunicado para a imprensa.

Foram acusados formalmente os russos Vladimir Drinkman, 32, de Syktyvkar e Moscou; Alexandr Kalinin, 26, de São Petersburgo; Roman Kotov, 32, de Moscou; Dmitriy Smilianets, 29, de Moscou e o ucraniano Mikhail Rytikov, 26, de Odessa. A acusação formal aberta ocorreu na quinta-feira (25) pelo Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Nova Jersey.

Drinkman e Kalinin são especializados em penetrar a segurança da rede e obter acesso aos sistemas das vítimas corporativas, enquanto Kotov  é especialista em mineração nas redes comprometidos para roubar dados, disse o DOJ.

Os acusados ​​encobriram suas atividades usando serviços de hospedagem web anônimos fornecidos por Rytikov, enquanto Smilianets vendeu as informações roubadas pelos outros do grupo e distribuiu os rendimentos do esquema entre os participantes.

Os cinco invadiram redes por quase cinco anos, entre meados de 2005 e 2012, de acordo com documentos judiciais.

“Este tipo de crime é avançado”, disse Paul Fishman, advogado dos EUA para o Distrito Sul de Nova Jersey, em um comunicado. “Aqueles que têm a experiência e a inclinação para entrar em nossas redes de computadores ameaçam o nosso bem-estar econômico, a nossa privacidade e a segurança nacional. E esse caso mostra que há um custo prático real, porque esses tipos de fraudes aumentam os custos de fazer negócios para todos os consumidores americanos, todos os dias.”