Rede varejista passa a aceitar bitcoins nos Estados Unidos

Geladeira inteligente infectada é usada para distribuição de spam
21 de janeiro de 2014
Hacker transforma mouse óptico em webcam
21 de janeiro de 2014

Rede varejista passa a aceitar bitcoins nos Estados Unidos

A Overstock.com, situada em Salt Lake City, é a primeira do setor a receber a moeda virtual.

A rede de varejo Overstock.com, situada em Salt Lake City, é a primeira do setor a aceitar a moeda virtual Bitcoin como forma de pagamento para seus produtos.

A empresa de US$ 1 bilhão ingressa em um novo mercado de consumidores que utilizam a moeda online, e outros grandes varejistas vão perder participação no mercado se não seguirem o mesmo caminho, afirmou o CEO da empresa, Patrick Byrne.

“Tenho ouvido de pessoas ao redor de todo o mundo – seguidores ferrenhos do bitcoin – dizerem que vão mudar todas as suas compras para a Overstock,com”, contou Byrne à afiliada da rede CBS em Salt Lake City, KUTV.

Usuários do bitcoin compram o dinheiro online e o carregam dentro de uma “carteira” virtual. Eles podem adquirir produtos pela internet sem ter que informar dados de seus cartões de crédito.

Ao contrário da moeda convencional, o valor do bitcoin flutua rapidamente. Para se proteger, a Overstock utiliza um broker da moeda que faz o câmbio imediato para o dólar.

A rede passou a aceitar a moeda virtual em 9 de janeiro. Byrne afirmou que a empresa recebeu no dia US$ 100 mil em pedidos em bitcoins.

“Vocês verão a Amazon entrar nessa. Essas empresas terão que fazer isso porque não podem permitir esse mercado todo somente para nós”, afirmou o executivo.

A moeda virtual surgiu há anos, como uma espécie de “esquisitice” da internet, ganhando suporte entre geeks e especuladores de moeda online. Sua crescente receptividade está trazendo a moeda para o uso de grandes empresas. Bitcoins são criados, distribuídos e autenticados independentemente de qualquer banco ou governo.

Recursos criptográficos tornam a moeda praticamente imune a falsificações e seu relativo anonimato mantém a promessa de possibilitar o gasto de dinheiro pela internet sem qualquer medo do governo.

A base do sistema é uma rede de “mineiros” — usuários de computador que fornecem à rede bitcoin o poder de processamento necessário para manter um processo transparente, executando registro de todas as transações. O registro é uma das formas mais importantes para evitar fraudes, e os “mineiros” são recompensados por apoiar o sistema com uma ajuda ocasional de bitcoins novos.