Sem-teto norte-americano sobrevive com bitcoins

Chiquinho Scarpa coloca Bentley na cova para lembrar doação de órgãos
20 de setembro de 2013
Mascarados no Samba do Rock in Rio
22 de setembro de 2013

Sem-teto norte-americano sobrevive com bitcoins

Usando um serviço online e um app para Android, o desabrigado ganha moedas virtuais para assistir a vídeos no YouTube.

Paul Harrison

Se você anda um pouco mais antenado com a web e costuma fazer compras na internet, já deve ter ouvido falar na Bitcoin, que, grosso modo, pode ser definida como a moeda corrente no mundo virtual – tendo a vantagem de não passar por bancos e poder ser trocada sem intermediários.

Muitos de nós sequer chegam a ter contato com esse “dinheiro“ e para a maioria das pessoas ele é usado como forma alternativa de monetização. Contudo, há quem tenha adotado essa moeda como forma de se sustentar.

Esse é o caso de Jesse Angle, um desabrigado que vive entre igrejas, abrigos e edifícios de Pensacola, uma cidade da Flórida, nos EUA. Todos os dias, o homem de 42 anos acorda e, após procurar algo para comer, segue até a praça Martin Luther King, no centro do município.

[related_posts]

Angle

Lá, ele abre seu laptop e se conecta a rede WiFi gratuita disponível para os transeuntes. Em seguida, começa a assistir vídeos do YouTube em troca de bitcoins. A cada gravação reproduzida, Angle é recompensado com 0,0004 bitcoins – equivalente a 5 centavos de dólar.

Isso é possível graças a um serviço, também gratuito, chamado BitcoinGet. O sem-teto, assim como qualquer outra pessoa que tenha conta nesse site, pode ver até 12 vídeos por dia – ou seja, 60 centavos.

Jesse ainda reforça o seu ganho diário com o app  Bitcoin Tapper, disponível para Android, que chega a render até 0,000133 bitcoins (quase US$ 2) todos os dias. Além disso, ao realizar “bicos“ para os demais habitantes de Pensacola, ele pede para que seja pago com a moeda da internet.

Bitcoins

E é assim que Angle consegue se alimentar minimamente sem precisar ficar pedindo esmolas. Nos últimos três meses, desde que criou a sua “carteira virtual”, o desabrigado angariou de US$ 500 (R$ 1.106) a US$ 630 (R$ 1.395).