México pediu aos EUA para comprometer Brasil contra Chávez

Irã tenta obter urânio na América Latina, dizem mensagens vazadas
23 de janeiro de 2012
EUA pressionam FAB por compra de avião americano, dizem documentos
23 de janeiro de 2012

México pediu aos EUA para comprometer Brasil contra Chávez

Presidente mexicano teria alertado sobre influência de líder venezuelano.
Documento da embaixada é um dos 250 mil vazados pelo site WikiLeaks.

O México alertou os Estados Unidos sobre o ativismo do presidente venezuelano Hugo Chávez na América Latina, e pediu que Washington comprometesse o Brasil para ajudar a freá-lo, de acordo com um documento da embaixada americana no México vazado pelo Wikileaks e publicado no jornal espanhol “El País”.

Em outubro de 2009, a embaixada informou sobre um encontro entre Dennis Blair, então diretor Nacional de Inteligência dos Estados Unidos, e o presidente mexicano Felipe Calderón, no qual este “enfatizou que Hugo Chávez está ativo em toda parte, incluindo o México”.

“Os Estados Unidos têm de estar prontos para comprometer o próximo presidente do Brasil”, indica a mensagem do embaixador americano Carlos Pascual.

O Brasil é “vital para conter Chávez”, disse Calderón, lamentando que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha sido reticente em fazê-lo. “Os Estados Unidos precisam comprometer mais o Brasil e influenciar sua perspectiva”, acrescenta a comunicação que relata a reunião.

“O México está tentando isolar a Venezuela através do Grupo do Rio”, confidenciou Calderón ao funcionário americano, segundo a nota.

A comunicação relata que Calderón se mostrou especialmente preocupado com as relações da Venezuela com o Irã e com sua crescente influência na América Latina.

“Há um vínculo entre Irã, Venezuela, drogas, traficantes de drogas e assuntos relativos ao estado de direito”, conclui o texto enviado a Washington.

No encontro, realizado na residência oficial de Los Pinos, Calderón disse acreditar que Chávez tenha financiado em 2006 a campanha presidencial do esquerdista Andrés Manuel López, que perdeu as eleições mexicanas para ele 0,05% de los votos.